''Quando me amei de verdade, comecei a me livrar de tudo que não fosse agradável para mim: pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo. De início minha razão chamou isso de egoísmo. Hoje sei que se chama amor-próprio. ''

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Boas Novas

Depois de muito e muito tempo sem postar, venho com a bola toda, com gás a tona, carregando um saco maior do que o do famoso papai noel, carregado de boas novas, ou nem tanto assim.

Depois da minha última postagem, passei por momentos incrivelmente atordoantes, estresse total.
 Encarei a última semana de prova da faculdade, fiquei com o cabelo em pé, virei noites estudando, me matando de tanta raiva pelo detestável fato de ter deixado tudo, como sempre, para última hora. No final deu tudo certo.

A grande noticia, foi mesmo do meu novo estágio, num lugar perfeito. Estou quase ''ralando'' ''a bessa'', como é órgão público, fala sério, quem trabalha final de ano??!! Rs Enfim, estou amando.Ah, e ainda estou na casa da titia e minha pequena mobília instalada na casa do sogrão, até os meus inquilinos desocuparem o meu apartamento, previsto para o final de janeiro.

Então fica sendo acima meu resumão desse tempo sem postar, só para não ficar muito emburacado esse cantinho de minhas tagarelices.


Agora, falando em forma de desabafo, meio na intenção de neste post encerrar o ano velho, irei deixar aqui o tal registrado.

No começo do ano num de meus primeiros post, notei a minha vibração repetida de todos os finais de ano e inicio de um novo, de revolução, inovação, o que por mais que não tenha sido de fato ao pé da letra, tudo do jeito que imaginava, tenho que confessar, de certa forma, meio que saiu melhor que a encomenda.
Aprendi muito, de verdade. Passei por muitos''perrengues'', mais quem é que não passa. Consegui enxergar um pouco meus erros e correr atrás para corrigi-los. A verdade é que fui me modelando, e claro,  firmando  o meu eu. Consegui me descobrir mais.

Tenho que admitir a vocês que estou muito feliz, encerrando o ano com grandes expectativas. Afinal, Deus tem me abençoado sempre.

Só para não quebrar a rotina, também vou dizer o que pretendo para esse ano que entra com toda banca. Quero fazer muita, mais muita bagunça!!!!! Começando dando um jeito no meu inglês engasgado, melhorar minha alimentação, porque nesse ano só prometi, vou comprar roupas lindas, fazer um curso de maquiagem, cansei dessas minhas maquiadas comuns, quero aprender fazer daquelas de puro glamour, também quero voltar para a academia, já que meu orçamento promete ser um pouco maior, tô podendo me dar ao luxo, enfim, quero tudo do bom e do melhor, começando com a minha tão desejada privacidade.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Minha eterna mudança

Quanto tempo não desfruto desse espaço tão meu e tão querido.... Sinto saudade daqui, mais, tenho passado por uma''PANCADA''  de coisas, que para ''variar'' envolve profundamente a palavra mudança. E fica sendo essa a minha desculpa para o abandono.

Estou com um aperto no peito, uma saudade que chega arde, lá no fundo. Claro que já disse que tenho saudade daqui, mais quero contar que essa saudade ''ardida'' vem lá do passado, da minha época em que morava sozinha, sozinha mesmo, no meu apartamento tranquilo num setor de senhorinhas e estudantes, podia andar de calcinha pela casa, jogar um colchão na sala e dormir por lá mesmo se desejasse. Ai que saudade daquele apartamento simples e pequeno, que para mim, era uma mansão de tão grande. Quanto estúpida eu fui em substimar aquela minha vidinha pacata e ao mesmo tempo cheia de aventuras.

A verdade é que não foi tão legal assim abrir mão de tudo aquilo que era meu para desfrutar do tal apartamento no setor nobre, de três quartos e suíte, piscina e os 'cambau'. Jurei que aquele era meu momento de glória. Pagar aluguel para morar com uma garota que mal conhecia, mais e daí, a garota parecia legal e íamos dividir as contas.

Enfim, estava eu convencida que aquela vida era mesmo perfeita, e que alugar o que era meu para morar de aluguel num apartamento melhor era muita inteligência da minha parte.

Final das contas, estava eu enfurnada dentro do meu quarto, sem vontade de ficar na sala vendo TV, por falta de privacidade. Engolindo o namorado da amiga ''morando'', compartilhando de nossas vidas noite e dia, sem ao menos dividir de fato as contas, afinal aquela vidinha me parecia de morador, e pelo que eu sei, morador não abastece a casa com comidas uma vez ou outra na semana e sim conta de água, luz, condominío, etc, o mais emocionante foi eu agindo como responsavél pela bagunça de todos. Acordando cedo, lavando todas as vasilhas, limpando a bagunça das cachorras da tal amiga e vivendo assim a tal vida perfeita.

Eiiii... gritei: Chamem a princesa, que eu não mereço isso!!!!!

E assim, dei início a guerra.

As pessoas acostumam com as coisas, principalmente a não terem que se preocupar, como por exemplo com a bagunça que eles fazem. Acostumaram com a casa limpa, com as vasilhas no lugar e a garota (eu) no quarto vendo filmes, estudando, fazendo o diabo a quatro, no quarto. As coisas mudam. A faculdade não está nada lenta, ou seja, a coisa tá feia, sem contar das inúmeras entrevistas de estágio que fui encaminhada. Francamente, gritei a princesa. Comecei com saídas longas e restringi meu serviço doméstico a coisas que eu sujava. Afinal, para quê eu estava desembolsando uma grana preta todo final de semana para a diarista sendo que eu passava a semana arrumando o apartamento??!!

Não demorou muito as caras feias e deboches começaram.

Já passei da idade de ficar tentando me dar bem com todo mundo, de querer fazer de tudo para fulano e ciclano não ficar com raiva de mim. Que besteira!! Devemos ser justos, começando por nós mesmo.


Uma semana contada o inicio da cara feia seguida de deboches e muita falta de respeito, e pitadas de fofocas do tal namorado da amiga e muita, muita mentira, declarei minha mudança.


Agora, mudei, mais estou de cantinho na casa da titia esperando ansiosamente pelo meu momento, pois, tenho que esperar o pessoal desocupar o meu apartamento que eu loquei, para voltar a ter a minha vidinha pacata e ao mesmo tempo cheia de aventuras, podendo andar de calcinha novamente pela casa.

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Não dai-me Paciência

Afaste-se de mim maracujá, camomila e tudo que é coisa responsável por algum tipo de calmaria. Calmaria interna e especialmente externa. Preciso me libertar dos bons modos, dessa sonolência, paciência, compreensão e entendimento demasiado. Preciso de muito Guaraná, Açaí, Canela. Preciso processar essa merda de NET. Preciso quebrar esses copos sujos que insistem em ocupar a pia que eu limpo. Preciso enfiar uma rolha no 'botão' dessas cachorrinhas de madame. Preciso jogar um VADE MECUM na boca da galera do fundão. Preciso dizer mais ''isso não é da sua conta'', ou melhor, '' o problema é meu'', ''você não tem nada com isso'', ou até mais bonito, '' cuida da sua vida!''.

Estou inteiramente, de corpo e alma abnegando meu legado de ser eu. Cansei!!!

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Eu, Bela adormecida


Não, as coisas não vão bem e nem de vento em polpa. Alguma coisa ruim me aconteceu. Sinto algo errado. Fiz exames de sangue e tudo mais, e estranhamente deu tudo ok, nenhuma coisa que me justifique. Deveria eu fazer, quem sabe acho o erro, um exame dos meus pensamentos. Estes últimos dias fui tomada por uma tristeza e uma espécie de preguiça da vida. Acordei mais um dia sem um pingo sequer de entusiasmo. Não sinto nada. É  uma grande vontade de ficar no quarto enrolada em cobertas no auge da tarde enquanto o calor se apodera da minha janela. Isso é tão estranho. Não sinto sequer fome. Não quero nem me mover muito. Fico presa em casa. Quando muito, me arrasto para as aulas a noite e com preguiça me esforço para alguns exercícios na academia.Estou cansada, cansada dessa bagunça, dessa casa e desse povo que não entende e nem tenta compreender que para boa convivencia cada um deve cuidar de sua bagunça.

Acho que vou me auto medicar com alguma coisa que imagino melhorar este comportamento. Estou pensando em embriagar meus olhos agora a tarde com um jogo de jantar que a muito tempo tinha pensado em comprar, bem na minha primeira mudança. Vou lá na lojinha agora a tarde, quem sabe eu me animo e crio expectativas de juntar um dimdim e compra-lo. Depois penso em me auto medicar com uma caminhada no parque que fica aqui do lado de casa.  Já  a um tempo não caminho lá, nem aprecio a paisagem. É exatamente isso que eu vou fazer em plena terça enquanto muitos correm para cima e para baixo. Creio que me fará um bem danado.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

As férias acabaram e eu quero viajar

De volta ao corre-corre do dia-a-dia. Acabaram as férias. Hoje começa mais uma temporada na faculdade, novas expectativas de estágio e uma possível realização de um sonho: trabalhar com crianças.

Por mais que o corre-corre do dia-a-dia não seja novidade, essa nova temporada me parece andar em uma carruagem nova. Para começar a casa está com um design novo, mudamos os móveis do lugar trocando o sofá da sala com o lugar da mesa de jantar, como meu quarto é um ovo, não tive possibilidades de ao menos sonhar em seguir algum tipo de Feng Shui ,espero que esse pequeno detalhe não seja relevante a harmonia que pretendo desfrutar nesse ap de amigas, e falando em amigas, tem uma novata no bando.

Acordei um pouco frustrada hoje. Fiquei alguns minutos olhando o nada, deitada na cama, refletindo sobre esses minguados dias de Julho. Não fiz a metade do que queria ter feito, a não ser algumas visitinhas que andavam pendentes ao médico. Eu não assisti os filmes que queria ter assistido, não li os livros que queria ter lido, não estudei o que pensei que estudaria, não fiquei muito com a minha família e não curti muito meu namorado e o pior, não descansei.

Sinto minha cabeça suportando o peso de um elefante. Não sinto aquele gás todo de começo. Estou me sentindo cansada como se estivesse no final de uma prova de corrida já suada e com dores nas pernas. Cadê meu entusiasmo? Cadê minha empolgação? Onde foi parar minha força? Estou quase rastejando sem ao menos ter sido dada a largada. Sinceramente eu sinto que preciso viajar. Ver coisas novas, bonitas, intrigantes. Acho que cairia bem um banho de mar, caminhar de biquíni no sol sentindo a areia entre os dedos. Quero comprar bugiganga em barraquinhas, comer coisas novas, respirar um ar diferente. Enfim, agora as férias acabaram e eu quero muito viajar.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Casa cheia

Com os altos e baixos, creio que com a pulga atrás da orelha, veio a notícia de uma possível integrante do bando.

Esclarecendo:
Por motivos não muito complexos e sim viáveis, tanto financeiramente quanto um pouco espiritual me veio a afirmativa de morar sozinha ano que vem novamente, voltar para meu pequeno e aconchegante lar que abandonei ano passado para dividir com uma nova amiga, em um setor bem movimentado em meio a nata dos que possuem carrões e frescuras intensas. A amiga se preocupou, com toda razão com o meu discurso na semana retrazada e decidiu tomar algumas atitudes para segurar o tranco. Aproveitando a falta de sobra de grana e a sorte de um cubículo de quarto sobrando, ela, a amiga anunciou que teria uma amiga que se interessa em ocupar o tal espaço, em troca, ajudando, dividindo as despesas. Claro. Achei uma boa ideia. Por quê não? Fica aí o interesse de uma possível amizade, a dúvida de um comportamento agradável, e claro, respeito e cuidado com a significante mobília, pois a tal novata vai interagir ativamente desse espaço cheio de vida e coisas que quebram.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Soltando a Franga


Aproveitando a primeira semaninha de férias fui à Brasília ver meu 'gatão', curtir a sogrinha e toda a renca instalada por aquelas bandas de lá. Maravilhoso. Descansei, dei voltinhas no shopping, assisti filminhos engraçados no cinema com a galera e conheci um tal lugarzinho estranhamente nostálgico.

De supetão fui convidada pelo 'namorido' a curtir uma noite em uma tarbeninha animana.
Estava um pouco cansada, tinha andado o dia inteiro, morrendo de frio e pensando em dormir, resisti, fazendo uma carinha de ''tem dó de mim'' para o 'namoridinho'. Mais não foi o suficiente. Para não passar por sem graça, acenei um sim junto a um sorriso amarelo,  pensei: ' ah, vai ser rapidinho, faço uma social e volto logo para o descanso noturno tão esperado'. Então, dei um tapa no visual e vesti uma armadura contra o frio que supus que me atacaria em alguns minutos.
Entrado no tal lugarzinho de nome um tanto engraçado, fui apreciando o bom som dos anos 60, 70, 80, 90 e me deslumbrando com o bom gosto da decoração. Caramba, que lugar legal! Pensei.

Havia um mini palco e uma galera de espírito jovem pulando e fazendo passos ultrapassados seguidos de mímicas, dessas das quais treinamos dentro do quarto com a porta fechada ouvindo aquela musiquinha boa.
Pedi uma cerveja e fiquei observando a alegria daqueles cangurus saltitantes. Morrendo de vontade de entrar na dança mais morrendo de vergonha, comecei a chegar mais perto da muvuca, dura como uma pedra, agarrada no braço do 'amore'. E nessa me passou uma coisa na cabeça. Como sou besta! Está todo mundo animado, alegre e se divertindo, quem ali vai perder tempo me julgando ou me reparando?

Ah, rapidinho dei um jeito de me livrar de alguns incovenientes, larguei a bolsa dentro do carro junto a uma parte da armadura contra o frio e caí na dança. Pulei como uma maluca de pileque, inventei passinhos bregas e gritei 'Irhuuu' a cada música boa que me lembrava um pedacinho do meu passado. E olha que todas as músicas que tocaram naquele lugarzinho me lembrava algo especial, como alguns amigos do colégio, uma época, uma situação, enfim, aquilo estava 'bom pra caramba'.
O tal 'social' durou até a banda ir embora. Mais juro, eu queria mais!!!!!Soltei a Franga, sem julgamentos!!!

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Férias, ihupiiiiii

Férias!!!! Hiupiii
 Não tem nada mais lindo do que a tranquilidade de ter fechado o semestre com boas notas na faculdade, ou melhor, ter passado em tudo. Porque afinal, nota é uma coisinha boba, quando baixa dá um desespero, quando alta é aquele orgulho e quando na média ficamos no: -'' ahh tá bom?!!''.
Na matéria que eu estava me achando com a bola toda, saí com uma notinha mixuruca por um bobo erro de cálculo. Entrei em pânico!!!
Como amigos é tudo na vida, ouvi as confortantes palavras de uma pessoinha amiga e interessada em dar o tal apoio moral, que disse: - aH amiga, liga não, para quê você quer tirar muita nota sendo que nem acumula para o próximo semestre. Só para desperdiçar, ohh mulher boba, larga de dar gorjetas e pague só o necessário!!
Adoro ouvir esse tipo de conselho, me faz cada vez mais entender porque não se é vendido. Enfim passei dessa para a próxima.
Ohh férias esperadas!!!!!
Mais agora???
Vou fazer o quê?
Vou para onde?
zzz Zzz zZzz Zzz

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Estrangeirando o mexido

Adoro cozinhar, posso não cozinhar todos os dias ficando a mercê do restaurante da Dona Benta ou da 'filação' de 'bóia' na casa da titia, mais, quando resolvo cozinhar parece que baixa o santo do rato Remy de Ratatouille. Cozinho super bem! Desculpem a minha modéstia, mais sou cozinheira de mão cheia.

Na cozinha me sinto a dona do pedaço e com autoridade de nomear minhas obras de arte. Com fortes influências culinárias da titia, da vizinha, da amiga que mora em outro país e dos programas de TV,comecei com uma mania um tanto bizarra. Mais não é que pega?

Fiquei um dia responsável pela jantinha, com os amigos esperando e salivando na sala, comecei a gororoba. Fiz um picadinho de carne com três tipos de pimenta e com muita, mais muita cebola. Confesso que o cheiro e o gosto estava ótimo. Quando saí da cozinha só dei o grito: - Gente, fiz uma carne ''a lá mexicana'', amanhã farei a macarronada ''a lá espanhola''.
A idéia do nome me veio por eu ter colocado os três tipos de pimentas, e a tal macarronada foi uma idéia da amiga belga. Todos adoraram discursando:- Hum, que chik!! Mais, na verdade era apenas um picadinho de carne bem temperado e a macarronada só vai bacon e creme de leite, tempero e muito amor.
Agora sou a cozinheira do 'a lá alguma coisa'.

A casa caiu, perdas sem ganhos


Como não é novidade, adoro escrever borracha, e não é só aqui não. Tenho vários caderninhos, desses pequenininhos os quais vivia escrevendo versinhos ou apenas blá blá blás de gente louca, também colocava contas, o gasto do mês, o que penso em comprar e várias outras coisas que só gente desorientada escreve. Por escrever aleatoriamente, em páginas desordenadas acabei com o espaço dos pequenininhos caderninhos tendo que migrar para um desses de 10 matérias. No rítimo de sempre coloquei os blá blá blás que só eu com esse cérebro de mexerica poderia colocar. Registrei paranóias de solidão, carência, saudade, dei uma de Clarice Lispector, rabisquei telefones, fiz arte, coraçãozinho e oscambau. Fiz tudo aquilo que eu morreria se alguém visse. Ainda mais, se fosse alguém do meu círculo do qual tendo me entrosar como uma intelectual, a faculdade. E foi assim que a casa caiu.

Na minha insanidade diária, foi justamente a noite que meu cérebro parou de trabalhar, acho que foi o desespero das provas.Naquela onda de 'ai meu Deus', saí correndo da sala sem meus materiais. Como? Gente não tenho idéia. Como fiz isso? Como vou embora sem nada? Acho que era de fato para lascar a minha reputação. E o mais estranho, o que deu nessa minha cabeça de levar o meu precioso caderno de baboseira para a faculdade? Não sei, juro que não sei.
O pior foi que só dei falta de tudo um dia depois, porque não foi só meu precioso caderno que ficou, foram apostilas todas coloridas com marcadores de todas as cores existentes no meu estojim, folhas, e muitas, muitas anotações importantes.
Quando dei falta saí desorientada nos achados e perdidos, morrendo de vergonha, porque como eu esqueço meus materiais?!! Infelizmente não achei nem o cheiro.

Oh ..quanta falta você me faz caderninho, e quanta vergonha sinto. Quem será que pegou? Aí meu Deus, será que esse indivíduo vai me devolver? Será que finjo que não é meu ou será que coloco uma plaquinha na sala de 'me devolvam'?
Bem minha última esperança é amanhã. Tomara que quem pegou seja uma menina legal que não me ache uma louca.
 Vixeee ... e se estiver com meu professor de Civil?

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Não quero ficar pra titia

Há alguns dias ando reparando a minha inquietação com 'os viveram felizes para sempre'. Claro, não posso negar, sempre fui inquieta e ansiosa, mais de uns tempos, nem a tempos, mais sim, há algumas semanas ando pensando e querendo muito me casar.

Namoro a muito tempo, ao certo vou para a casa dos seis anos, e, como qualquer namorada apaixonada penso em me casar. Me pego muitas vezes com cara de songa monga sonhando com a minha casinha, como digo, permanente, com um quintal enorme, com meu maridinho, filhos, cachorros, gatos e tudo que é bugiganga necessária para uma grande bagunça. Não posso ver uma lojinha que vende roupinhas de nenem, ou coisas para casa que vou logo 'viajando na maionese'.

Sempre fui uma meninona que adora brincar com crianças, assistir desenhos animados e tudo que é coisa de criança. Passei já até um tempinho deprimida pensando que tinha escolhido o curso errado, porque, para gostar tanto assim de criança eu deveria ter escolhido o curso de pedagogia. Só que, foi só uma fase e logo fiz aspazes com meu curso de direito em meio ao coro dos familiares, desesperados com a minha mirabolante idéia de mudar de curso, disseram que se eu quero ficar no meio de crianças, é só eu arranjar um filho. E é isso mesmo que ando sonhando. Cansei de ficar nessa vida sozinha e pacata. Me sinto velha para baladas, não gosto de encher a cara com as amigas, só uma cervejinha para mim já está de bom tamanho, e também sinto necessidade de começar uma nova página na minha vida. Já passei dessa fase de querer namorar e curtir a vida adoidado, quero meu canto. Eu quero sim uma vida de casada, aquela que muitas reclamam, mais no fundo adoram.

Eu admito!!! Eu quero chegar cansada do trabalho e passar as roupas do meu marido, arrumar a casa, fazer almoço, janta e o que for preciso para ele e meu filhotes, levar menino no colégio e buscar se for o caso, fazer compras em família. A verdade é que eu quero sim tudo isso. Cansei de ficar debatendo com fulanos e ciclanos que me encurralam no interrogatório de: você já devia ter se casado?!! ou melhor: porque você não se casa, o que está esperando??!! Não vou mais ficar renegando o casamento. Não aguento mais ficar longe do meu namorado, sei que ele se sente sozinho morando em outra cidade. Sinto tanta dor quando o ouço reclamando que queria que eu estivesse lá, perto dele, que está perdido, que precisa de mim para cuidar dele e todas essas coisas melosas que me faz sentir a mulher mais importante do mundo. É exatamente o que eu quero, isso é recíproco, eu quero muito ser uma mulher casada. Sei que serei muito feliz quando isso acontecer.

Agora estou em casa, cheia de sonhos e tendo que decidir se moro sozinha no ano que vem ou se renovo o contrato na imobiliária e continuo dividindo apartamento com a amiga e seus cachorrinhos. Ahhh não é nem um nem outro que eu quero. Não quero ficar dividindo apartamento com amiga, nem ficar sozinha em um, eu quero é minha casa, meu marido, minha linda e aterrorizante rotina.. Ohhh céus me ajude!!!!!

Ai, que vontade de me casar!!!!!!

terça-feira, 28 de junho de 2011

Será que isso é moda?

Ontem, no friozinho lascado que estava e está  fazendo aqui onde moro, reparei as unhas de uma menina, que provavelmente deveria ter seus 15 anos. As unhas estavam pintadas de azul, mais uma unha da mão, do dedo anelar estava pintada de branco. Achei tão estranho, e sendo sincera achei meio brega. Pensei ser coisa de adolescente. Sei que as cores de esmalte estão em alta, hoje se usa verde, amarelo, azul, roxo e várias outras cores, o que até acho legal. Também tem aquelas que usam cada unha de uma cor, fica até legalzinho, eu mesma não uso, mais fica legal. Agora, a nova que chegou eu não sabia que era moda. Quando reparei a tal garotinha com esse design da unha achei meio estranho, mais vendo a Ana Maria Braga no Mais Você, vi que aquilo era moda. Ela também estava usando, só que as unhas brancas com a unha do dedo anelar preta.

Dê onde veio isso? Será que está passando em alguma novela? Como não ando sendo muito fiel as novelas e programas povão da TV, ficando mais em prol dos filminhos locados na esquina de casa e o jornalzinho matinal, fico pensando como ando desatualizada das novas e sem incentivos televisionais.

Bem, melhor pra mim!

terça-feira, 21 de junho de 2011

Casa nova e blá blá blá

Quando eu mudar, quero pintar uma parede do meu quarto de roxo.
Será que eu vou enjoar da cor?
Quero comprar um jogo de tapetes claros para colocar na cozinha.
Será que vai combinar com o piso?
Também ando pensando em pintar meus móveis de madeira, dar uma invernizada pelo menos na adega, na mesinha, ... ou será que faço um trabalho moderno nos móveis....
Será que cor fica legal? Branco? Só dou uma mão de verniz? Será que fica caro?
Penso em criar um peixinho. Um aquário bem bonitinho. Que tal uma tartaruguinha?
A idéia até parece legal, mais será que se eu, de fato, comprar uma tartaruguinha de aquário vou estar contribuindo com o tráfico de tartarugas? Ah... não penso em comprar em qualquer lugar. E se eu pegasse uma no parque?? Tenho amigas que criaram, e as conseguiram no parque, na adrenalina do roubo (literalmente). Não! Não! Não! Acho que isso seria terrível. Pensa?! A pobre coitada da tartaruguinha feliz em sua liberdade artificial mais liberdade, e eu, cobra, a tiro de seu cantinho para viver restrita a uma ''canequinha'' de áqua dentro de casa, só porque quero ve-la enfeitando os meus olhos,.. Sacanagem!!!!
Ai que ansiedade, será que vai ficar legal o novo lar doce lar?

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Domingo, filmes e saudade


Domingo, cinco horas da tarde. Não tinha muito o que fazer. Na verdade o que eu queria era não ter que me despedir. Meu bem se foi, depois de um final de semana maravilhoso, tive que me despedir. Bem, fazer o quê?! Ele mora em outra cidade agora. Ainda bem que existe celular, msn, etc.

Tristinha e com o coração pequeno já de saudade resolvi ficar amuada no quarto. Minha vontade era de ficar confortável no meu cantinho e de preferência assistindo a um monte de filmes, desses que nos emocionam. Então loquei alguns filmes e levei-os para casa.

Quentinha na cama, com um pijama confortável tomando uma canequinha de leite com café comecei a seção filme. Assisti primeiro um filme infantil ENROLADOS, muito engraçadinho. Depois assisti o filme DE PORTA EM PORTA , A DÚVIDA e por último PALAVRAS DE AMOR com o bonitão do Richard Gere
Adorei os filmes que loquei, com exceção do Palavras de Amor, achei muito estranho e sem graça, mais eu acertei em cheio nos outro filmes.

Um filme em especial foi o filme DE PORTA EM PORTA. Que filme maravilhoso. O filme conta a história de um vendedor chamado Bill Porter. A história é real e nos emociona muito. Bill Porter nasceu com paralisia cerebral, tendo limitações em sua fala e movimentos, mesmo assim supera suas deficiências, limitações e preconceitos. É um homem muito querido. Aos poucos ele vai fazendo a diferença na vida de muitos a sua volta. Bem, eu indico esse maravilhoso filme. A história começa na década de 60 e vai até a década de 90. O filme evidencia bem as transformações desse tempo, vemos como as coisas vão mudando, como a  tecnologia vai tomando conta das nossas vidas. Para quem gosta de filosofia de vida e de uma história marcante e rica, esse é o filme indicado.


O outro filme que assisti e achei muito interessante foi A DÚVIDA, um drama maravilhoso com a minha atriz preferida Meryl Streep. O filme se passa em 1964 e conta a história de uma rígida freira que ao desonfiar  do novo carismático padre faz de tudo para expulsa-lo. Maravilhoso!!!!


Bem, seria bem melhor se eu tivesse assistido o filme com meu pitchuco do lado, mais, fazer o que?! O jeito é se contentar com as conversas agora pelo celular e esperar o próximo final de semana, feriado,...

sábado, 11 de junho de 2011

Dia dos namorados

Dias dos namorados é o dia mais fofo do ano. É o dia que os cavalheiros presenteiam suas damas com flores, é o dia dos restaurantes lotados, das lojas fartas de consumidores, do salão de beleza a todo vapor, das decorações de coraçãozinho e muita, muita música romântica no rádio. A rua fica calma. Todos apaixonados querendo dar o melhor ao seu parceiro.  Ai que inveja desses casalzinhos de mão dadas na rua. Estou sozinha em casa vestida com uma camisola já antiga, erolada em um edredon. Digitando. Uma pilha de livros para estudar em cima da mesa, prova segunda-feira. Comendo um macarrão instantâneo de galinha. Com olho cumprido no celular. Será que eu ligo agora ou espero mais um pouco? Meu 'namorido' está em um casmento de um amigo em outra cidade, bem longe daqui. Que dia horrivel para se casar? Que idéia foi essa? Ai que saudade do meu 'pitchuco'. Já com longas conversas carinhosas durante o dia, fico aqui, ansiosa para receber o boa noite.
Como é bom namorar, dormir juntinho. Fazer carinho, cafuné, dar beijinhos, chamar de meu bem,meu gatinho, lindinho, pitchuco, fofurinha. É  muito bom ter alguém para compartilhar a vida, dar boas risadas, dar colo, receber colo. É muito bom amar e ser amada.
Eu quero esse amor para a vida inteira.

Lei de Murphy

Ah gente, fala sério. Quem nunca foi alvo da sacana lei de murphy?  Quem nunca protagonizou o coitado do Coyote?

Quando a tampa da manteiga cai, alguém já teve a felicidade dela não cair do lado da manteiga?

Ou qual menina nunca tropeçou na frente do grupinho de garotos bonitinhos ou na frente de um bar. A lei de murphy está sempre presente no nosso dia-a-dia. O chuveiro queima justamente quando está fazendo aquele frio e você é a única que ainda não tomou banho, o carro apaga sempre na hora que o sinal abre; o pneu fura sempre quando a borracharia já está fechada ou quando você está bem longe de uma; a bateria fica fraca sempre naquela hora que você está esperando aquela ligação, e detalhe, justamente o dia que você esquece de levar o carregador. O nosso dia-a-dia é assim cheio de possibilidades de tudo realmente dar errado.

É batata, sai toda horrorosa na rua pensando que não vai encontrar ninguém conhecido na rua. Pode ter certeza que é exatamente naquela hora que você vai encontrar por um acaso (acaso coisa nenhuma), seu chefe, aquela paquera(para as solteiras) aquela amiga que a anos você não vê e por te ver horrorosa ela vai logo deduzindo que você piorou com o tempo. É sempre assim. Se tem alguma coisa que pode dar errado, acredite, dará.

Quando eu estava fazendo academia, nunca esqueço esse dia, peguei uma bermudinha e não vi que tinha um furinho no fundo. Cheguei no banheiro e pensei: ahh, ninguém vai notar isso. Mais nesse dia não sei quem teve a maravilhosa idéia de mudar os aparelhos de lugar e colocou um aparelho que você exercita abrindo as pernas para exercitar as pernas justamente na frente do espelho. Claro que meu professor me colocou para fazer o tal exercício e ficou lá de butuca para ver se eu estava fazendo direitinho Que mico!! Toda vez que eu abria as pernas o buraquinho da bermuda abria, minha cara caiu no chão.

Um dia eu fui em uma empresa  fazer meu cadastro para estagiar. Eu estava super preocupada. Fiz de tudo para transmitir uma boa impressão, mais bem na hora que eu estava subindo as escadas da empresa eu virei o pé, fiz umas pose tão feia com as pernas abertas que até hoje quando lembro dá vontade de nunca mais pisar lá, o pior foi ter virado o pé denovo na hora que eu estava descendo. Eu fiquei tão sem graça que fui quase correndo para fora do prédio.

Nossa, que mico!!!

 Mais o melhor foi minha amiga. Estávamos conversando sobre coisas estranhas que acontecem na hora mais inapropriada.. Ela me contou uma coisa que eu rolei de tanto rir. Estava ela toda charmosa conversando com um rapaz que ela diz ser lindo. O tal rapaz meio que a paquerando começou a contar coisas engraçadas. Ela jogou o cabelo, fez posse e riu para ele, só que nessa empolgação da risada, ela não entende como isso aconteceu, mais no auge da risada ela deu uma fungada no nariz e desceu uma liga de catarro na frente do lindão lá. Super sem graça imediatamente ela esfregou a mão no nariz e disfarçou. Dizendo ela que na hora o menino meio que dispersou dando tempo dela disfarçar sem que ele notasse, mais gente, pensa que horror.
Bem, a verdade seja dita, prepare-se para o pior, porque caso aconteça mesmo você está preparado, se não acontecer, melhor ainda. É  bom estar preparado, mais cuidado para não se tornar  uma pessoa pessimista e avarenta. Lembre-se que muitas das vezes tudo acaba dando certo.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Lugarzinho bonitinho

Adoro conhecer lugarzinhos novos, principalmente lugar bem decorado e que tem comidinha boa.

Perto de casa abriu um empóriozinho, pequeno e com uma decoração super de bom gosto. O que mais me chamou atenção desse lugar foi o avarandado com mesinhas e cadeiras de madeira com detalhes com vasinhos de flores. Super bonitinho. Sabe aquela sensação aconchegante. Morri de curiosidade de entrar, sempre que ia a algum lugar por ali por perto eu ficava com meus olhinhos cumpridos numa vontade de entrar. Mais hoje eu entrei. Em casa já um pouco tarde decidi passar lá e ver o que tinha de gostoso para comprar e fazer um lanchinho em casa. Fiquei meio sem graça porque quando eu entrei vi que o lugarzinho estava mesmo começando.A música que estava passando era ótima, uma das minhas cantoras preferidas.

Bem na entrada tinha uma mesa de frios, de um lado umas prateleiras com alguns enlatados e outras coisinhas e do outro o caixa e um freezer com duas tortas e sanduiches natural. Lá  tinha duas meninas com uniforme do empório atraz do freezer, um senhor no caixa e no avarandado um casal degustando algumas pastas. Eu pedi uma pedaço de torta de chocolate com morango, parecia deliciosa. Que vontade que me deu de comer por lá mesmo, naquela varandinha. Mais não, pensei em deixar para próxima vez.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Missão nem tanto impossível assim

Gente, é com a imensa cara de pau que lhes conto, aprendi passar minhas roupas. Não que eu nunca tenha passado roupa e só agora aprendi a passar, o que estou querendo contar é que eu não tenho hábito de passar minhas roupas e colocar as peças enfileiradas de forma romântica dentro do guarda-roupa. Arrumar e manter um guarda-roupa arrumado para mim sempre foi uma missão impossível. Juro!!!! Desde pequena sofro com a desorganização do meu guarda-roupa, era uma bola de roupa desorganizada, tinham peças dobradas, enrolada e socada. Toda vez na hora que eu ia sair, que sofrimento. Até que eu conseguia uma peça... demorava. Isso atrasava a minha vida e me estressava. Já descrente de que um dia isso iria mudar, continuei a me preocupar com outras coisas no campo doméstico, como lavar as vasilhas, limpar o chão, tirar poeira, etc. Sempre defendi que a cozinha bem arrumada economiza tempo. Os copos limpos sempre prontos para que os use é maravilhoso, porque, gente, detesto ter que lavar o copo para poder usar, ou  pior, você quer fazer uma comidinha mais tem que praticamente lavar a cozinha inteira para poder ter ambiente para cozinhar, eu não, prefiro deixar tudo limpo,acho muito melhor gastar uns  segundinhos lavando de imediato o que acabei de usar do que juntar a pilha e conviver com aquele mostro de sujeira na cozinha. Só que esse mesmo pavor e forma de pensar eu também juntei a minha conduta com o meu guarda-roupa, mais nunca adiantou, sempre na hora de sair de casa era um desespero, eu tirava roupa, colocava roupa e aí ia aquela bagunça que normalmente eu justificava acusando a falta de tempo ou mesmo a correria do dia-a-dia.

Hellooo, é pura enganação. Se você também usa isso como desculpa acompanhe meu depoimento agora. Não existe isso. Não podemos culpar nosso desleixo na falta de tempo porque o que realmente estamos fazendo agindo assim é complicando ainda mais a vida. Já parou para pensar?! Bem, demorou, mais eu tomei uma atitude. Um dia (semana passada) estava eu lindamente limpa prestes a escolher o modelito, enrolada na toalha abri a porta do guarda-roupa e puxei uma blusa. A coitada da blusa estava puxando outra blusa, e assim as joguei em cima da cama. Como ela estava amarrotada (embuchada), procurei uma que não precisava passar. Claro que achei uma, mais, não era bem o que eu queria usar, pois queria uma blusa clara e que não precisava passar e desse jeito não tinha. Já meia hora enrolada na toalha em frente ao guarda-roupa monstro decidi que precisava mudar a minha vida. Gente, foi a melhor coisa que eu fiz na minha vida. Peguei um vestidinho de pijama que estava embolado, vesti e rapidamente puxei o bolo de roupas que estava dentro do guarda-roupa e os joguei na cama. Peguei a tábua de passar, que até então eu não tinha um pingo de afinidade, porque sempre que precisava passar alguma peça de roupa eu ligava o ferro e passava como dava em cima da cama mesmo ou em cima da cadeira (vergonhoso,né?!), então organizei tudo e fui a luta. Passei todas as minhas roupas. TODAS! Eu fiquei, lógico, o dia todo suando ali com o ferro quente na mão. Infelizmente meio que estraguei uma bermuda de fazer academia pois esqueci de diminuir o calor do ferro, mais ficou tudo muito bem passadinho. Fiquei tão feliz, todas as peças cheirosas, sem aquele aspecto áspero de roupa tirada do varal, ainda mais que aquele tal 'facilitador de passar roupas, passe bem' é ótimo, deixa as peças de roupa tão cheirosinhas. Agora sinto a minha vida mudada, como se eu fosse outra pessoa. Tudo está tão arrumadinho que juro, nunca mais vou deixar embolar minhas roupas no guarda roupa e vou manter tudo passadinho no seu devido lugar.

terça-feira, 7 de junho de 2011

Tarefas, problemas e paciência

Paciência, acredito que nem sempre tudo sai perfeito, você também não acha? Digo, hoje estive desesperada em prol de um trabalho da faculdade do qual deixei para última hora. Com energia e muito desespero consegui termina-lo muito antes do imaginado. Comecei cedo a executar o tal trabalho e pouco depois do almoço já estava tudo certo. Agora só me falta imprimir.
Estou a enfrentar sérios problemas com organização. Não consigo pensar em meio a desordem. Invejo pessoas que conseguem seguir em meio ao caos. Vou explicar onde quero chegar. Fiz uma viajem a Brasília  e aproveitei o final de semana ao máximo ao lado do meu 'namorido', como segunda-feira é um dia agitado retornei a minha cidade, até mesmo porque tenho aula e trabalhos e mais trabalhos para entregar.  Bem, um desses trabalhos ficou marcado para ser entregue hoje a noite, trabalho que nem tinha começado. Oh céus, como é difícil pensar em meio a bagunça.

Eu não moro mais sozinha, divido apartamento com uma amiga e suas duas cachorrinhas. Infelizmente justo hoje a casa estava praticamente inabitável. O cheiro de cachorro estava tão forte que dei ânsia de vomito inúmeras vezes, a cozinha transbordando de vasilhas sujas, mais com muito força de vontade terminei primeiro o meu trabalho para depois pensar o que fazer em relação a casa. Como estou super chocada ao ponto que chegou a relação de descuido com a casa resolvi fazer esta postagem. Meu Deus que xixizinho fedido destas cachorrinhas.  E ficam ali no chão esperando que eu limpe. Não consigo entender porque insisto em tentativas de mudar a minha atenção para outro lado, infelizmente não consigo. Eu me preocupo com a desordem da casa, me irrito com o mau cheiro e com as coisas nos lugares que eu não coloquei. Tenho a impressão que a minha enjoeira chegou a um ponto irreversível. Sou sim, cheia de manias, e por culpa dessas manias me vejo escrava do paninho de chão e do aromatizador de ambientes. O pior é que não forço a barra, prefiro ficar quieta e disfarçar o meu enjoo. Desconfio estar errada e muito chata com esses cricris.

Mais a verdade é que tenho inúmeras outras coisas para me preocupar, como  muita, muita doutrina para ler. Penso que eu deveria me desacorrentar da casa e procurar um local próprio para meus estudos, o que é o que mais me preocupa. Têm tantas bibliotecas arejadas e confortáveis para eu desenvolver as minhas leituras, mais  não, estou sempre focada na organização da casa. O pior é que nunca consigo vencer a batalha. Sempre com a desculpa de que vou organizar para poder ficar melhor acomodada e fazer os meus trabalhos e leituras exigidas pela universidade me deparo cansada e exausta depois de tantos esforços a tal organização, chegando a ponto de na hora que o trabalho de faxina termina não consigo ler uma frase sequer do que realmente deveria estar lendo.

Não quero nesse desabafo me colocar como uma pobre coitada porque sei que tudo se desenvolve por consequência de nossa postura diante das situações. Não quero que minha vida gire em torno de coisas supérfluas, gente é muito difícil manter o foco.
Ano que vem sei que não vou poder mais dividir apartamento por vários fatores, um deles é que não tenho certeza se vou poder cumprir o contrato que é estabelecido pela imobiliária de um ano, porque estou já preocupada com o enxoval. É isso mesmo, eu e meu namoridinho estamos nos organizando para casar. Calma! Não que eu vá casar já ano que vem, mais estive conversando com o meu 'bem' e estamos querendo já dar uma organizada na nossa vida, começando com a montagem da casa e tudo mais, e para isso andamos pensando que eu morando sozinha já dar para ir guardando e comprando muitas coisas. Fora isso também entra a questão do meu jeito já definido e minhas manias. Acho que preciso, ainda mais agora as vésperas de um possível casório entrar em harmonia com o universo. Não estou com tempo para me preocupar com bagunça que fulana fez ou com um xixizim no chão ali e acolá todos os dias. Bem, o que tenho para declarar para vocês, caros leitores é que morar com outras pessoas acarretam várias coisas, problemas, jogo de cintura e muita, muita paciência.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Bem, por acaso resolvi acessar mais uma vez depois de várias tentativas não muito bem sucedidas e consegui. Sim, meu blog, este, ficou muito dando problema, não consegui fazer login por isso esse tempo todo sem postar, como estou com muitas coisas para fazer hoje, não vou poder postar o que realmente queria... mais.. tomara que eu tenha sorte e consiga acessar meu blog e colocar aqui minhas postagens, tagarelices que me fazem tão bem.
Logo volto.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Perfumaria X Paciência

Não sou o tipo que decide na hora, gosto de analisar, pensar direitinho, nada de dá ou desce, isso ou aquilo, ainda mais se tratando de comprar produtos mais pessoais, como perfumes. Adoro perfume!!! E quem é que não gosta?

Hoje me aventurei a encarar a loja de perfumes já que o meu acabou. Fui ao Shopping, dei umas voltinhas para me aquecer. Entrei em algumas lojinhas, olhei algumas blusas, mais acabei mesmo foi comprando um sabonete líquido de girassol da Alchemia, desses que andam vendendo nas lojas Renner. Já aquecida e destinada a comprar o meu cheirinho, ou seja, um perfume que traduza meu EU, meu TUDO, entrei na perfumaria ao lado.
Sempre tenho experiências engraçadas com perfumes,quando resolvo mudar, usar um perfume novo, sempre acaba dando errado. Eu enjôo do perfume como uma grávida. Não gosto muito de perfume doce e também não gosto dos muito fortes amadeirados, só alguns. Os perfumes que chamam mais a minha atenção são os mais cítricos e suaves, só que tem um problema, os que são suaves demais e não dá para sentir o cheiro eu também não gosto. Gosto de um perfume fresco, mais que quando eu passo por alguém dê para sentir o cheiro. Bem, fui a luta procurar uma fragrância diferente que eu goste.

Na entrada da perfumaria  fica sempre aquelas mulheres bonitas, maquiadas que nos atendem com um belo sorriso. Ao entrar na loja fiz uma cara de quem está tranquila e que só está dando uma olhada. Comecei a cheirar um por um, fazendo caras e bocas involuntariamente. Mais claro, quando dei conta que estava parecendo uma esquizitona tentei amenizar as involuntárias caretas, afinal eu tinha que fingir ser um pouco normal.

Depois de um bom tempo futricando nas prateleiras pensei que talvez seria melhor comprar o que já estava acostumada a usar, o preço era bom e assim eu não corria riscos. Mais depois descobri um perfume que eu já havia usado a um tempo atrás e que eu tinha gostado muito. Com cara de boba, cheirando milhões de vezes o mesmo perfume a vendedora me perguntou: Você vai levar esse? Juro que minha vontade foi falar, sim, é esse mesmo. Mais a dúvida me sacudia e aí comecei a conversar com a vendedora para ela pensar que sou legal. Comecei a falar que não gosto de perfume doce, mostrei a ela os que sempre uso e disse que queria mudar. Ela, inocente me apresenta um lançamento. MARAVILHOSO!!! Eu já estava em dúvida entre dois perfumes, o que usei a muito tempo atrás e o que eu sempre uso, agora estava em dúvida em mais um. Ahhh tadinha. Fiquei muito tempo pensando nos prós e contras de cada um até que ela bem baixinho sussurrou: '''Nossa, estou morrendo de vontade de fazer xixi''. Senti na hora a dor de um tapa. Pensei eu no lugar dela. Imagina você morrendo de vontade de ir ao banheiro e não podendo  ir porque tem uma pamonha que não decide qual perfume usar. Se eu tivesse ficado pouco tempo na loja, tudo bem, mais estava fazendo quase uma hora que eu estava ali pangarezando os perfumes. Ela, coitada, não podia sair de perto de mim enquanto eu não saísse da perfumaria. Concentrei na hora. Escolhi o que sempre uso e por sorte o outro que eu havia usado a tempos atraz e gostei tinha para vender em um vidrinho menor, e claro, bem baratinho. Então levei os dois e deixei o lançamento que a vendedora tinha me apresentado para uma próxima vez.

Sem sombras de dúvida, fiz uma ótima compra.

domingo, 15 de maio de 2011

Pensando alto

Hoje não está um dia muito descomplicado para mim. Sinto uma coisa tão estranha e por mais que eu tenha adiado essa sensação ela não desistiu de se apresentar. Sabe aquela coisa que dá, tipo uma inquietação. Me sinto como se estivesse em um quarto de hotel em uma beira de estrada, desses com uma decoração horrível e com poeira nos colchões. Como se eu fosse obrigada a aceitar dormir lá por ser a única opção no momento. Lá, nesse hotel eu fico observando os móveis, o estampado escuro dos sofás, algo assim, algo que não gostei. Essa é a sensação que sinto nesse incrível dia de domingo, dia no qual estou integralmente em casa. Estou com muita preguiça de me mexer e insatisfeita.  Estou me sentindo hoje, tão deslocada, sinto que não estou no lugar certo, será isso normal?
Assisti dois filmes, um já havia assistido uma vez, mais, como estava passando na TV de novo, assisti, o outro era legal, um casal de pombinhos com direito a paisagens lindas, esses lugares de dar inveja.
Depois começou um filme meio sem graça, as pessoas falavam, falavam e falavam e a única coisa que me veio a cabeça foi mudar de canal, então resolvi me mover em direção a cozinha e talvez tomar uma água. Mais... a água tinha acabado e eu não tinha comprado um novo galão de água e por ser domingo não pude fazer nada a respeito. Tenho um filtro de barro também, mais não sei o que andaram colocando na água daqui do prédio, a água está esbranquiçada, percebi quando fui dar descarga no banheiro, vi a água do vaso branca, aí corri abri a torneira da cozinha e conferi, a água estava esbranquiçada. Então desci o elevador e fui a padaria o único lugar aberto, como estava com sede comprei um suco de pêssego de caixinha e uma garrafinha de água.
Enfim, assim foi o dia de hoje, e a água que eu comprei era água com gás...ghrrr (e lógico, só vi que era água com gás depois que abri e começou a borbulhar, não gosto mais dessa vez tomei, fazer o quê, né?!).

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Eat, pray, love

Como muitos assisti o filme: comer, rezar e amar. Lindo, cheio de mensagens e ensinamentos que sim, podemos juntar a nossa vida. Claro que não sou a primeira e nem serei a única a fazer comentário sobre o filme, até mesmo porque vi bastante comentários sobre o filme em blogs, etc.

Honestamente o filme é maravilhoso. Ele enche os olhos de quem assiste e faz palpitar mais forte o coração durante toda a jornada de Liz, a protagonista.

Caso você ainda não tenha assistido, lhe indico para que você possa maravilhar-se e refletir sobre sua vida.

Os comentário que li a respeito do filme foram para um caminho diferente do que eu vou fazer, porque eu vi o filme com outros olhos, ou seja, minha interpretação foi diferente. Alguns questionaram Liz: como pode uma mulher querer largar tudo para ir viajar? Que excêntrica! ou até mesmo: não precisa viajar para sair do tédio, ela poderia fazer outra coisa, ou: nós temos que ter coragem de largar tudo mesmo e ir viajar (não discordo, viajar é ótimo, mais não creio que foi essa a mensagem do filme).

Bem, eu senti que o filme não quis dizer nada disso, opinião minha. Ela, um ser único como todos nós precisava de paz e satisfação. Ela encontrou o seu caminho e no caso dela... somente dela era necessário toda essa etapa, todas essas viajens e crenças e afeição, sim, ela estava vazia de emoções.
Ela precisava acreditar em algo(rezar), aquietar seus pensamentos, maravilhar-se com novos sabores e paisagens, sentir a vida.

Senti que o que o filme queria transmitir é que nunca é tarde para mudar sua vida ou mesmo tentar ser feliz. Se você não ama seu trabalho, seu relacionamento ou até mesmo sua postura diante do mundo, então mude. Você pode mudar e tentar algo novo. Não é preciso aceitar ser infeliz para quem sabe ser feliz. Isso não significa que precisa dar a volta ao mundo, você pode até ficar na sua casa mais deve sair da sua zona de 'conforto' e lutar para melhorar.

A idéia me tocou me fazendo querer lidar dessa forma com a minha vida. Fiquei um tanto desapontada comigo, porque é isso que o filme faz, nos faz refletir sobre nós e de como anda a carruagem.

Não apenas aceite o que acham que deve aceitar, não abra mão da sua felicidade, acredite na felicidade.

Mantenha a educação


Estou indignada. Como seres que se dizem cultos ousam em uma sala de aula agir como quadrúpede? Sim! Estou de fato indignada. Estudo a noite, com os estudantes-trabalhadores, o que deveria equivaler a uma aula tranquila de pessoas cansadas que por determinação e denodo querem ser alguém na vida. Só que isso não existe, não na minha turma de pessoas de 25 a 40 anos(eu nem cheguei nos 25 kkkk). Lembro o colégial como uma época em que os professores eram pessoas que tinham nossa (alunos) consideração, respeito e medo, claro, ele podia destruir sua vida na reunião de pais e mestres. Isso mantia o poder e a ordem e um possivel aprendizado em sala com o Mestre. Hoje diante a situação de caos, que sei que não acontece em todas as universidades, mais em minha sala, sim, acontece, sinto falta da palmatória. Brincadeira, não é pra tanto. Vejo a imaturidade desses pobres estudantes. O entra e sai da sala de aula sem nenhum escrupulo, motivo convicente e pior, educação. Conversar no celular em plena aula para mim é uma coisa absurda, inexplicável, imperdoável e de fato esse ser é um asno. Compra e venda de produtos avon e natura com direito a discurssões em alto e bom som, por favor, respeito é bom, tem gente que quer participar, mais da aula.

Futuros pais, existem hora para tudo, então aqui vai um apelo: ensinem seus filhos a serem seres humanos e não bichos estúpidos e desagradáveis.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Empolgadíssima

Gente sei que essa imagem não tem nada haver, mais a essência do que eu quero é quase isso, então eis a fotinha já que eu não tenho foto do meu ap. Quero uma coisa delicada, junto com moveis de madeira. Não tão doce quanto essa imagem, muito rosa e florzinha, mais quero uma coisa aconchegante e menos enjoativo.

Estou empolgadíssima. Depois de muito pensar e pensar decidi que o melhor a fazer em vários sentidos é voltar  para o meu ap. A sensação que sinto agora é a mesma que senti quando comecei a comprar as coisas para morar sozinha. Bem, como o meu apartamento está alugado e o contrato termina no final do ano junto com o que moro, que eu alugo, então a mudança será no final do ano mesmo, não vou pedir o apartamento antes, porque se eu quebrar o contrato do que eu estou morando vai me sair um tanto caro. E também é o tempo certo que preciso para ir me organizando e comprando as coisinhas que quero.

Com toda essa minha empolgação, vou postar aqui tudo que está se passando.

O meu apartamento não é grande, tem dois quartos, sala, cozinha e um banheiro, ele fica no décimo primeiro andar, a vista é linda, dá para ver a cidade inteira, as luzes, juro, a vista é perfeita, e também é muito bem localizado, perto de tudo. Nele tem um guarda-roupa embutido antigo no quarto e no outro quarto tem uma estante de madeira embutido também, é antiga, mais bonita. Agora o guarda-roupa eu preciso tacar fogo de tão feio que ele está. Se bem que é um pouco de exagero, mais o material dele é horrível, ele é de compressado, branco, e nos cantos está esfarinhando e a divisão dele não é muito boa.

Estou querendo decora-lo. Deixar o ap. minha cara.

Primeiro quero pintar, mais dessa vez com uma tinta boa. Na sala quero fazer uma parede colorida, mais vou usar uma cor mais neutra, como um laranja bem clarinho ou um bege. Quero tirar o guarda-roupa velho e mandar fazer outro e no outro quarto da estante, quero aproveitar a estante e fazer um guarda-roupa estante, coisa que eu inventei. Como ele é uma estante que era usada para colocar livros e tem um espaço para a TV, quero aproveitar, e fazer de um jeito que dá para usar como estante ou guarda roupa com portas de correr, legal, né?! Já fiz até o desenho de como eu quero.
Bem, as novidades do que eu for fazendo vou postar aqui.

Dia das Mães

Minha titia na praia de Santos


Mesmo não tendo mãe viva, porque a minha mamucha faleceu quando eu ainda tinha 8 anos, não tenho problemas com o dia das mães.  Como minha tia me criou como filha, o dia é todo dela. É até um tanto engraçado, porque mesmo ela tendo me criado desde novinha, que foi assim que minha mãe faleceu, eu nunca consegui chama-la de mãe. Eu ficava reparando algumas amigas que tinham o hábito de chamar a vó de mãe, ou sei lá.. essas coisas que acontecem, mais mesmo assim, na minha cabeça, o que é, é. Minha tia é minha tia, sempre vou chama-la de titia, não consigo chama-la de mãe, mais quando se fala em mãe imediatamente meu cérebro junta as duas, a minha mãe biológica e minha tia que me criou, e assim sei que tudo fica bem.
´
Esse dia das mães foi um tanto mal aproveitado. Meu namorado veio para Goiânia me ver junto com a sua mãe e sua irmã que eu adoro muito. Com a correria acabei vendo minha tia lá pelas quatro horas da tarde de domingo. Minha tia já estava deitada, um tanto cansada. Alguns dos meus primos nem vi (minha tia tem 6 filhos). Todos tiveram um belo almoço em família e eu perdi. Fiquei pensativa com a consciência um tanto pesada. Mais paciência, não pude mesmo chegar mais cedo,e por isso quando cheguei, fiquei grudada na minha titia até quase dormir. Deitada na cama  as duas, começamos a conversar sobre a vida. Minha tia adora contar o que viveu, como foi o início do seu casamento, onde morou e sobre a ditadura militar. Acreditem ou não, mais a minha tia morou na fazenda do presidente, ele ia lá tomar cafezinho na casa dela. Sério!!!!! É muito bom ouvir a minha tia contando as coisas que já viveu.

Bem, a minha tia perdeu os pais muito cedo, mais cedo que eu, e foi criada por um casal: Miguel e Maria José Caldeira, que também criou junto os quatro irmãos da minha tia, eles trabalhavam fazendo telhas. Então minha tia casou na fazenda de João Goulart no município de Uruaçu, onde ia morar com seu marido, meu tio, irmão da minha mãe. Minha tia me contou que a primeira dama, Maria Teresa ,deu de presente de casamento para ela um colar de pérolas que dava quatro voltas no pescoço, (pensa que chik) e mais, o presidente emprestou os carros (chik de doer) para ela usar no casamento. Imaginem que legal, minha tia casando usando o carro(que na época era muito chik) para casar e mais um colar de pérolas que nada mais, nada menos, dava quatro voltas no pescoço. Mais depois a coisa ficou feia, minha tia conta que os policiais tomaram conta da fazenda e que o Miguel, o ''pai' da minha tia quase foi morto por saber demais... a história é longa, mais super interessante.
Enfim, no dia das mães, conversamos até quase dormir... despedi da minha tia e com a minha motinha voltei para casa pensando em tudo que minha tia tinha me contado.

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Dividir Ap

Na verdade essa imagem eu achei legal para ilustrar o que estou passando, mais tenho em casa duas cachorrinhas pequenas, uma York e uma Pintcher.


Bem, em postagens anteriores eu mencionei bastante que moro sozinha e tudo mais. Tem um outro blog acho que o anterior a este, eu disse que estou dividindo ap, e é sobre isso que vou falar. Para não ficar muito confuso vou dar uma pequena esclarecida.

Eu fiquei um tempo morando sozinha, o que foi bem legal, foi uma época em que eu fui aprendendo a lidar comigo e a aprender a lidar com situações complicadas. Depois tive a mirabolande idéia de dividir o apartamento com estudantes estrangeiros, na verdade eu aluguei um quarto que eu não usava, o que me rendeu um bom dimdim, foi legal no começo, mais depois eu quis colocar fogo na casa, nunca vi tanta bagunça, foi um tempo quente. Nessa época que decobri que ninguém vai cuidardas suas coisas e que o bicho gente d´á um trabalhooooo.

Bom, com tudo isso, já com a paciência esgotada resolvi  mudar. Muitos me chamaram de louca, onde já se viu, sair da própria casa para pagar aluguel? Eu fiz isso!!! Mais vou explicar. Intediada com a casa que rendeu muita dor de cabeça eu resolvi alugar o meu apartamento e aluguei um maior e melhor em um setor melhor para eu morar. Só que como esse que eu aluguei ea bem mais caro, eu dividi com uma amiga.

Dividir apartmento é uma coisa um tanto bizarra. Quando você mora com a sua família muitas coisas acontecem mais mesmo assim, não faz mal porque tudo passa, afinal é sua família e sempre fica tudo bem. Agora quando você mora com alguém que mal conhece a coisa fica um tanto complicada. Você fica com receio  reclamar, de fazer algumas coisas, isso, claro, priva sua privacidade.

Tive vários problemas com dividir apartamento. Na minha pimeira experiência o que me irritava era a bagunça da cozinha e a falta de divisão das tarefas. A pia da cozinha ficava horrorosa, cheia de vasilhas sujas, era muito chato chegar em casa do trabalho e encarar aquela cozinha de horrores. Depois veio a falta de respeito a noite. As três horas da manhã você acordar com a sua colega de 'quarto' rindo, bateno panelas e fazendo algazarra sem um pingo de consideraçã com o seu sagrado sonim, é muito chato, ainda mais quando sem sua autorização você se depara com a casa cheia de pessoas que você nem conhece.

Depois de tanto apanhar e sofrer com esses males, resolvi dar mais uma chance a questão '''dividir ap'''.  Fui morar com uma amiga (que tinha acabado de conhecer), tudo indicava que iaser perfeito, mas....
Já com um tempinho dividindo ap. a amiga me perguntou se eu me importava dela trazer uma cachorrina dela para morar com a gente. Bem, eu pensei, porque não? A cachorra era pequena, quietinha,  e eu não ia me responsabilizar pelos xixis e caquinhas dela. Não vi nenhum problema. Só que, depois de um tempo apareceu mais uma cachorrinha linda, o que  de linda tem de custosa.

 Hoje me vejo em um apartamento grande em relação ao que eu morava, com piscina, com uma recepção bem legal, etc, mais... a casa fede. Como pode esses pequenos fazer tanto xixi e caquinha. Tem xixi em tudo que é lugar e caquinha também. Até no sofá essas fofinhas cachorras se atrevem. Um dia, já arrumada para ir a faculdade, sento no sofá e sinto, meu bumum todo molhadoe fedendo, adivinha?!!! Sentei no xixi da cachorra. Que raiva!!! Meu lar doce lar se transformou em ficar enclausurada no meu quarto, que é o único lugar que não fede.

sexta-feira, 4 de março de 2011

Só contando

Hoje meu gatinho vem para minha cidade para me ver, está de folga do trabalho, claro, é Carnaval, agora todos só pensam em festejar. Como minha geladeira anda um pouco vazia, acordei cedo e fui as compras. Não era a minha meta estocar nada para o mês, até mesmo porque faço compras com uma amiga, a que mora comigo(dividimos ap.) e dividimos as despesas. Ela vai viajar para a cidade dos pais no Carnaval, então combinamos de deixar as compras para a semana seguinte. Eu não gosto muito de ficar em casa com a geladeira vazia ainda mais com o gato a caminho, então fui as compras para não passar vergonha. A faxineira vem amanhã e infelizmente até os produtos de limpeza estavam em falta. Claro que algumas coisinhas tinha, mais faltava um desinfetante, sabão em pó, 'Passe Bem' para as roupas, etc.
Quando eu era criança adorava ir as compras, de certa forma toda criança gosta, mais eu gostava mais. Sempre gostei da casa bem abastecida. Acho tão bonito a casa que tem de tudo, para mim não precisa de mais nada na vida. Quem vê assim pensa que sou gulosa ou que já me faltou alguma coisa, mais não, graças a Deus. É apenas um certo vício. Muitas das minhas amigas são viciadas em comprar roupas, outras sapatos, outras jóias, eu sou viciada em comprar coisas para casa. Sou do tipo caseira e cheia de manias. Sempre que acordo vou ao banheiro e lavo o rosto um um sabonete especial, desses de enxofre, depois ligo a TV preparo um leite com café (COM CAFÉ), faço um misto um pouco diferente, as vezes com requeijão mussarela, presunto ou peito de peru ou faço um misto com manteiga pimenta, cebola e alho, ou então recheio o pãozinho francês com tomate sal e azeite. Não consigo substituir esse cardápio matinal por outra coisa, por isso nenhum desses itens podem faltar em casa, caso alguns desses itens estejam em falta o meu dia se torna o pior dia do mundo. Meu café da manhã é sagrado. Gosto também de ter um estoque bem variado com tudo que preciso no banheiro, como uma cestinha cheia de sabonetes, gel esfoliante a três variedades de condicionador na prateleira, etc. Cada um com suas exigências. Essa é a minha.
Bem, já que minha meta não era estocar nada, no supermercado fui colocando no carrinho o que me fazia feliz, ironia, porque realmente estava no Pão de Açúcar, que é o supermercado mais perto da minha casa. Comprei itens para o meu café da manhã, alguns produtos de limpeza para a faxineira usar amanhã e algumas coisas que meu namorado gosta de comer. Ao chegar em casa analisei que algumas manias custam caro. Eu poderia substituir algumas coisas por outras mais baratas. Mais infelizmente não consigo, me vi como uma garotinha dando birra no supermercado. Comprar o que não quero me deixa muito infeliz. Então o jeito é sustentar o vício.

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Final de semana

O final de semana para mim sempre foi o dia esperado, é aquele tempinho que você tem para lavar roupas, arrumas as coisas, ver um bom filme, encontrar com os amigos, namorar. Parece que tudo é magico, como se guardássemos os compromissos e as dores de cabeça para a segunda. Claro, não é assim. Mais queremos que seja o dia de descanso.
Durante muitos tempo trabalhei no sábado de manhã. Era ótimo, via os rostos sorridentes do tipo: daqui a pouco estou livre. O meu dizia isto. Tanto era que assim que saia da porta do meu trabalho eu ia correndo ao supermercado comprar alguma besteira, chegava em casa radiante de expectativa, ligava a TV, vestia aquela roupa de ficar em casa e começa a telefonar, marcava algo com os amigos, com o namorado, com a família, enfim, arranjava algum programa. Com tudo programado ia rumo a arrumação. Uma boa faxina no banheiro, na cozinha, tirava poeira dos móveis e tudo com a TV ligada, porque assim eu ia parando para ver um pouquinho do que era legal, e de longe eu ouvia tudo. Foi uma época bem divertida.
A alguns meses mudei de apartamento, de emprego o namoradão mudou de cidade e junto, eu mudei a rotina. Sinto saudade de como era antes, mais as coisas não estão ruins, isso não é uma queixa. Hoje não faço mais aquela faxina porque tenho a santa Noemia dos sábados, ela limpa tudo para mim, fica tudo lindo e maravilhoso, também não tenho mais aquele almoço com o namoradão, nem as saídas a noite, porque ele mora em outra cidade e nem todo final de semana ele pode vir me ver, as amizades sim, continuam, mais nem todo final de semana nos encontramos.
Como estou muito disponível vou começar a executar a minha lista. Começando com o que eu adoro, filmes e seriados. Nos últimos finais de semana fiquei assistindo filme. Vou selecionar uma lista do que quero ver, aí na sexta já faço a compra do final de semana,  muitas guloseimas e um monte de filme locado. Acho que assim o final de semana não vai perder a magia.

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Semaninha difícil

A última semana foi um tanto complicada, mais que o normal. Como estou precisando achar um estágio de preferência remunerado, saí a luta. É um tal de deixa o currículo com fulano, com ciclano.. com o tal político amigo da família, enfim,é cansativo esse corre-corre, fica aquela expectativa de que - 'Pô, será que ele me achou legal?' Ainda mais quando o seu pé faz questão de virar nas escadas da empresa duas vezes seguidas e te fazendo protagonizar o desastre da escada, sim, aconteceu, cai na escada do meu estagio DUAS VEZES, na ida e na volta.. Ohhh Deus!!! Concluído o entrega-entrega, tinha outra missão me esperando, uma reforma. Tenho uma casa em um setor bem afastado da cidade. É uma casa antiga que estava anunciada para aluguel. Infelizmente ninguém queria morar na tal casa, claro, estava abandonada, com um mato no quintal de mais de um metro de altura, sem contar as paredes sujas e com algumas infiltrações. O jeito era dar uma maquiada. Contratei uma pessoa para limpar o quintal, logo em seguida contratei um pedreiro, negociei o serviço e fui as compras. Tive que comprar cimento, areia, filito e algumas coisinhas para a grande reforma. Depois de tudo certo, serviço terminado, consegui alugar a casa e tive um prazo de menos de uma semana para entregar a casa pintada. Corre-corre. Faltava pintar. Cadê o pintor? Fala com fulano e com ciclano, nada. Ninguém disponível. Ohh céus. Já que não tem tu, vai tu mesmo!!!!! kkkkk
Fui em uma loja de construção, comprar rolo e todas essas coisinhas pequenas para eu começar a minha grande obra de arte. Vesti aquele vestido que estava até escondido no fundo do guarda-roupa, levei meu pc, claro, eu queria ficar ouvindo uma musiquinha enquanto trabalhava e fui pintar a casa. No começo você pensa que é fácil, não que não seja, mais é muito chato ficar pintando casa. Passa uma mão, passa outra.. pintar o teto, nem se fale. A tinta por mais que o rolo seja bom, a tinta cai na sua cara, suja seu cabelo, no final tinha tinta até no meu olho. Terminado a jornada, peguei minha moto para ir embora para casa e então começou a chover. Eu, coitada, cansada, dolorida, toda suja de tinta voltando para casa debaixo daquela chuva, o frio era tanto que eu fui batendo queixo até chegar em casa. Para espantar o medo de cair num daqueles buracos expostos na rua fui cantarolando bem alto, afinal 'quem canta os males espanta'.
Desse dia herdei uma boa gripe e uma voz rouca que dura até hoje, nada de mais.
Missão cumprida.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

FELIZ , FELIZ, FELIZ...

SIMPLESMENTE FELIZ( Happy go lucky) Filme
- Você é feliz… Na sua vida?
- Essa é uma grande pergunta.
- Não é que é mesmo?


Quanto tempo, que saudade de soltar aqui as caraminholas que andam em minha cabeça. Como meu tempo anda um pouco curto tenho um resumo a declarar: Feliz, feliz e muito feliz!
 Fim

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Sob o Sol da Toscana


Claro, eu não poderia deixar de postar um comentário particular. Tive a oportunidade maravilhosa de assistir ao lado de minhas preciosas amigas,o filme: Sob o Sol da Toscana. Filme impressionante e que rendeu muitos comentários em blogs, percebi isso na hora de procurar uma gravura referente ao filme no google.
Achei de fato incrível todas as reviravoltas que acontece com a vida de Francis, a protagonista, e como parece comum tudo que lhe acontece, aquela sensação de que tudo está acabado e de desmotivação da vida. O incrível que eu achei foi o jeito do qual ela superou tudo de ruim que lhe aconteceu. Isso nos ensina, ou melhor, nos mostra que temos que seguir sempre avante por mais ruim que seja certas circunstâncias, haverá sempre uma oportunidade, aquela luzinha no fim do túnel e claro, que amigos maravilhosos ela  têm.


Apesar da beleza da superação e aprendizado, não posso ter a liberdade de dizer que este é o melhor filme que assisti, só sei que ele irá para a minha lista de filmes que pretendo assistir várias vezes seguidas.


O filme mostra que devemos seguir nosso caminho mesmo estando tudo muito complicado e tirar forças de tudo que é lugar e lutar por nossa alma, vale muito a pena viver.
Olhando para o meu passado vejo que em muitas situações fui 'Francis', lembro-me quando perdi a esperança, me deparei com frustrações e como a queridinha do filme, eu tive bons amigos para me ajudar a reerguer, e sim, eu me reergui.  Na vida sempre terá situações complicadas, difíceis de digerir, mas, tudo pode mudar para melhor ou para pior, isso depende da forma que encaramos a vida. Como deve ter sido difícil para Francis toda aquela situação, traída pelo marido e ainda tendo que engolir o fato dele ficar com a casa e com a outra, porque claro, a outra quer morar onde tem boas escolas para os seus futuros filhos.
Eu me atentei a um detalhe no filme que soou como um tapa em mim, ela deixou tudo para traz, que força teve essa mulher, ela não levou mobília, nada, apenas livros e um vaso azul, ela não se prendeu ao passado, creio que sabia lá no fundo que precisava largar tudo aquilo e recomeçar. É necessário desabafar, creio que sofrer as vezes faz bem, não estou falando besteira, mais o que quero dizer na verdade é que quando estamos muito triste, devemos parar um pouco para pensar em tudo, ficar um pouco sozinha, chorar também ajuda a lavar o espírito, mais isso não pode durar muito tempo, porque a vida não espera para ser vivida, ela caminha com o tempo, e muitas das vezes o tempo é curto para contemplar tanta beleza.


Esse filme me deixou com inveja, quanto lugar bonito meu Deus!!!!
Frase no filme que amei: Construa os trilhos da vida mesmo que ainda não haja um trem.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...